Trabalhadores param ferrovia no Pará, em protesto contra Vale

quinta-feira 25 de outubro de 2007 por Comunicação Terrazul

Circulação de trens na Estrada de Ferro Carajás estava interrompida no início da tarde do dia 17. Manifestantes, ligados a movimentos como o MST, criticam a forma com que é feita a exploração mineral da região, que consideram predatória.

Da Redação - Carta Maior

SÃO PAULO - Na manhã da quarta-feira (17), militantes do MST, de organizações de garimpeiros, de pequenos produtores rurais e de movimentos de juventude urbana do Pará ocuparam parte do eixo ferroviário que corta o Projeto de Assentamento Palmares II (município de Parauapebas), cuja concessão de uso é da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD). Com isso, a circulação de trens na Estrada de Ferro Carajás estava interrompida no início da tarde.

Os manifestantes criticam a forma com que é feita a exploração mineral da região, que consideram predatória, e acusam a Vale de não abrir discussões sobre o assunto. O ato faz parte da jornada de lutas pela Reforma Agrária e em defesa dos recursos naturais do povo brasileiro, que acontece desde segunda (15).

"A paralisação das atividades de tráfego de minério da CVRD é a forma de responsabilizar o governo Federal, o governo Estadual e a própria CVRD pela incapacidade de resolver o grave problema agrário, mineral e ambiental que em vivem os trabalhadores do campo e das cidades", afirma Charles Trocate, integrante do MST no Estado.

Os participantes da Jornada pretendem apresentar uma pauta de reivindicações aos ministérios do Desenvolvimento Agrário, de Minas e Energia (MME) e da Educação, e também ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), ao governo do Pará e à CVRD.

Assinaturas: 0

Fórum

Associação Civil Alternativa Terrazul,

Rua Goiás No 621. Bairro: Pan-Americano. Cep: 60441000 Fortaleza - Ceará - Brasil

E-mail: alternativa.terrazul@terra.com.br tel: + 55 85 32810246

Alternatives International

Data Nome Mensagem